sábado, 14 de junho de 2014

Dangerous Street - 1ª Temporada - Capitulo 6 - Confidence








Mel P.O.V. 


XXX: Posso?? - senti alguém baixar-se ao meu lado, voltei o rosto vendo quem era...
Eu: O que é que te aconteceu?? - a música ecoava na minha cabeça mesmo cá fora e sentia o meu corpo pulsar conforme ela, o meu ritmo cardíaco acelerava mais agora, juntando a batida com preocupação. Ele estava ao meu lado, o seu olhar cor de mel concentrava-se no chão, ele apoiava os cotovelos nas pernas fletidas. Retirei as pernas da água num impulso e cheguei-me para mais perto dele - Fala comigo porra! - supliquei.
Zayn: Estou bem Mel, não te preocupes! - ele responde calmamente e observo as feições do seu rosto suavizarem apesar das feridas que o envolvem, um suspiro pesado escapa dos seus lábios, ele tomba a cabeça para trás fechando os olhos e volta a encara-me. Esperava que alguma palavra saísse da sua boca, aquele silêncio estava a matar-me ... sinto o meu telemóvel vibrar e retirei-o do meu bolso das calças enquanto os seus olhos seguiam cada movimento meu. 


"Sai daí Mel . Ainda agora cá chegaste e já conseguiste relacionar-te com o pior gajo de Bradford! Foge dos perigos boneca eles estão mais perto do que imaginas." 


O telemóvel é arrancado bruscamente das minhas mãos, ele lê a mensagem e vejo a expressão do seu rosto enrigecer... Não sabia se deveria ter medo disso ou não. Mas sentia que todos os meus medos do passado voltavam, o pânico, as sensações horríveis que ele me causava... Jamais pensei na hipótese que eu poderia superar esses ataques, apenas pensei que eles poderiam desaparecer e nao serem nada além de uma lembrança presa nas minhas memórias mais negras!
Nada é eterno, tão pouco infinito e por isso mesmo eu acreditava que apenas me faltava uma peça do puzzle para acabar com esse medo.
Respirei fundo tentando que todos aquelas sintomas de pânico fossem embora, as suas mãos apertaram as minhas, estremeci.
Zayn: Mel, calma! - a palma da sua mão pousou sobre a minha bochecha acariciando suavemente – Anda, eu vou tirar-te daqui ok?! - falou pausadamente tentando manter-me calma - Respira babe! - a sua voz saiu como um sussurro ... Eu pensava que a luta contra estes ataques fosse interminável, que tudo o que iria resultar dela fosse mágoa, rancor, mas talvez eu me enganasse. A presença dele ali, a sua voz, tudo naquele momento fez-me parar de nutrir aquela sensação de sufocamento, ela aprecia desistir de me amedrontar aos poucos e ir procurar outro alguém que a alimentasse! Eu estava a vencer?? ...
O coração bate tão acelerado que magoa o meu peito, não consigo gritar ou respirar, mas cruzando com isto outras sensações se juntam, sinto tudo, cada veia, cada fibra, cada nervo, cada pedaço meu parecia estar a receber uma carga elétrica, algo puro que curava o que me fazia mal!
Zayn: Mel?? - abri os olhos sentindo-o ali junto a mim, um sorriso iluminava o seu rosto, sorri também ao perceber que tinha conseguido... Eu impedi que aquele ataque de pânico voltasse, e ao mesmo tempo eu percebi que tinha sido ele a fazê-lo desaparecer!
O tempo não cura tudo. Aliás, o tempo não cura nada, o tempo apenas tira o incurável do centro das atenções... mas agora eu estava a superar o incurável, eu ou... ele, foi ele! Eu: Como é que fizeste isto?! - falei baixo e ele não deixou que mais nada escapasse de seus lábios sem ser o seu sorriso! De repente um grito surgiu vindo de dentro da casa e mais se seguiram.
Zayn: Anda! - ele deu-me os meus sapatos para as mãos, levantando-se rapidamente.
Eu: Onde?? - perguntei confusa.
Zayn: Anda e cala-te caralho!- ele gritou agarrando os meus pulsos e arrastando o meu corpo atrás do seu. O mesmo cenário que à dias ocorreu na escola parecia fazer-se viver ali, basicamente nada me parecia mudar a não ser o cenário. Mas porque invadiram desta vez a casa do Liam?? Afinal quem eram essas pessoas e porque o faziam?!
Estavamos próximos do portão de saída, ele agarrou a minha mão com mais força entrelaçando os nossos dedos e colocando-me agora ao seu lado entrou no meio da confusão, tentando mover os nossos corpos juntos no meio de toda aquela gente, ele movia-se rápido e em poucos minutos conseguimos chegar ao portão, suspirei de alívio...
Vários carros e motas começaram a chegar... Foda-se! O meu corpo foi colado contra o muro da casa, ele pôs o capucho na cabeça e pousou os braços sobre as minhas ancas. Os nossos olhares encontravam-se fixos um no outro...
Zayn: Confias em mim? - ele sussurrou muito baixo que foi quase inaudível ouvir o que acabava de me perguntar, mas eu tinha ouvido e o meu corpo congelou por completo com a pergunta, procurei uma possível resposta para dizer-lhe naquele instante , mas eu não a encontrava, não a tinha... processei cada palavra que ele tinha dito e que invadia a minha mente por completo, e simplesmente assenti. Ele passou a sua mão na minha pele do rosto suavemente, a sua respiração batia na minha, ele pressionou mais o meu corpo e a sua boca abriu-se para dizer algo - Então, beija-me! - o seu braço subiu junto a mim pousando sobre o muro e tapando os nossos rostos, o meu músculo do peito explodiu completamente com as palavras que escaparam dos seus lábios semi-abertos. O nervoso invadia o meu corpo vulnerável, o seu olhar calmo e sedutor direcionava-se para os meus lábios, mantive-me estática, o barulho dos carros parou mesmo ao nosso lado seguido de passos pesados, e em segundos os seu tronco tomou um impulso para a frente fazendo os nossos lábios chocarem. Todo o barulho que passava desaparecia da minha mente, o meu mundo parecia centrar-se apenas em nós. Os seus lábios moveram-se pedindo por mais, um arrepio correu todo o meu corpo e timidamente dei passagem à sua língua que tocou a minha calmamente. Os nossos lábios mexiam-se em perfeita sintonia e o seu braço continuava do meu lado enquanto o outro envolvia a minha cintura firmemente.
Ele separou as nossas bocas, fechei os lábios e mordi o lábio inferior, ele olhou para o nosso lado como se procura-se algo ... É isso, ele estava a esconder-nos ...
Zayn: Anda! - novamente os seus dedos deslizaram entre os meus fazendo o calor das nossas mãos se unir e chocar.
Eu: O que é que se está a passar Zayn?? - gritei frustrada.
Zayn: Porque é que não paras com as perguntas caralho?? - apertou o meu pulso dando um passo para mim e elevando o tom de voz á medida que falava.
Eu: Porque não me dás respostas! - o seu olhar penetrante escurecia cada vez mais, sentia medo dele ... do seu silêncio. Ele simplesmente voltou a seguir o caminho outra vez, em pouco tempo chegamos à minha casa, ele parou soltando a minha mão, pisquei os olhos com a sonolência e retirei as chaves do bolso da casaca inserindo-nas na fechadura, abri a porta e mantive-me do lado de fora a olhar para ele.
Zayn: Vais ficar cá fora?! - ele arqueou a sobrancelha rindo ... ele era bipolar?? Um momento protege-me, outro grita comigo ... Mesmo assim sorri com o comentário idiota dele - Mel?!! - passou a sua mão em frente ao meu rosto.
Eu: Obriga-me! - desafiei-o mordendo a lingua entre os dentes. Vejo-o morder o lábio inferior e passando a mão sobre o queixo enrugado com o sorriso que se formava nos seus lábios... um sorriso que me prova que ele estava a pensar em alguma coisa!
Logo todo o meu corpo é puxado pelo seu braço forte e coloca-me sobre o seu ombro aperto as minhas pernas contra o seu peito. Ele entrou para dentro de casa batendo a porta com o pé
Eu: Solta-me idiota! - supliquei entre risos que ele provocava em mim cada vez que gargalha também.
Zayn: Acho que ganhei ! - fala e começa a correr com o meu corpo apoiado no seu ombro subindo as escadas apressadamente a passos largos, ele entra no meu quarto e de repente sinto as minhas pernas escorregarem para baixo e os meus pés finalmente tocarem o chão, apoiei os meus braços no seu pescoço, apercebendo-me rapidamente das suas mãos pousadas sobre a minha cintura electrificando as minhas veias e acelerando a minha circulação quente. O seu olhar manteve-se fixo no meu ... - Babe ... tenho que ir embora! - os seus lábios quase que roçavam com os meus à medida que se moviam para falar. Não o queria deixar ir, sentia necessidade de o ter por perto...
Eu: Não ... n-não quero que vás!
Zayn: E porquê?! - engasguei-me com o meu próprio ar.
O que lhe respondia?? Eu não sabia o porquê, eu apenas tinha a certeza de que precisava! Num gesto meigo senti a sua mão empurrar a minha barriga levemente fazendo-me movimentar para trás, os seus dedos movimentaram-se até ao fundo da minha cintura e tocando-na suavemente empurraram o meu corpo na direção da cama ... tirei o calçado e deitei-me por baixo dos cobertores, notei o seu peso sobre a cama pousar do meu lado. Apertei os cobertores mais contra mim encolhendo-me, ele juntou o seu corpo ao meu ... - Eu fico aqui até adormeceres! - os seus lábios colaram-se ao meu rosto deixando-no mais quente.
Eu: ... Tenho medo! - voltei-me para ele. 





Zayn P.O.V. 


Vi as lágrimas formarem-se nos seus olhos quando me disse que tinha medo. Ela era completamente insegura de si própria, vivia muito na sombra de alguém que não era ela e aqui tudo era diferente, diferente talvez demais para continuar a viver assim! Talvez ela precisasse mesmo de descobrir-se, soltar os medos que a dominam ...
Eu: Eu estou aqui, lembra-te disso! - sussurrei, notava o quanto ela queria chorar e se esforçava para impedir as lágrimas de caírem - Tenta só ... viver da melhor maneira possível aproveitando cada segundo! Bradford pode trazer-te tantas coisas novas. Cada noite, um novo desejo, uma nova sensação...
Mel: ... acordar sem um porquê, estar entre dezenas de pessoas e mesmo assim continuar a sentir-me sozinha ... Claro, eu vou habituar-me a essa rotina! - disse sarcástica - Acho que vocês são demasiado diferentes para o meu mundo, ou talvez seja eu que não me encaixo nos padrões! - suspirou.
Encontrava-me sem palavras para lhe dizer fosse o que fosse ... ela estava perdida mas eu também não estava a achar um ponto do mapa para me centrar agora, eu mesmo estava perdido. E, nela! As lágrimas desceram pelo seu rosto.
Eu: És tão diferente Mel... - deslizei os meus dedos pela sua pele limpando as gotas que se agarravam a ele, a sua mão agarrou a minha mantendo a minha colada à sua bochecha, ela aproximou a sua cabeça do meu peito encostando-a nele e pousou o braço sobre o meu abdómen. Acariciei os seus cabelos ... - Dorme bem babe!
Mel: Fica comigo!
Eu: Eu fico!
O que é que ela estava a fazer comigo?! Ela não conseguia ser-me indiferente. Ela lembrava-me tanto a única pessoa que realmente me fez amá-la. Lembro-me quando ela me dizia para eu aproveitar ao máximo independentemente de tudo porque o tempo passa rápido, as coisas aconteciam e mudavam de forma descontrolada, e não aproveitar seria manter-me morto sem criar me mim algo que alimenta-se vida! E depois mudou cada mínimo pormenor dessa história, ela deixou de amparar as minhas quedas!
A Mel, seria apenas uma forma de chegar onde queria. Como é que naquela noite tantas coisas aconteceram? Deu tudo errado... e agora? Agora o futuro iria se encarregar de trazer as consequências, e algum de nós ia morrer e o outro viver... ou eu ... ou o Kail! Por mais que quisesse arrastar a minha mente para os problemas que tinha de resolver, não conseguia ... as minhas mãos vagueavam até ao seus longos cabelos castanhos, ela era realmente demasiado frágil para pertencer aqui. Desço os meus dedos até a sua mão pousada em cima de mim e entrelaço as nossas mãos, os seus dedos são elegantes e finos, consigo sentir os seus ossos ao tocar-lhe. Ela confundia-me e odiava esse facto, sentia-me mais fraco perto dela.


Continua...

xxAndy


Nenhum comentário:

Postar um comentário