sexta-feira, 11 de abril de 2014

Pretend It's Ok - 1ª Temporada - Capitulo 19 - Horny?



***
O dia corre normalmente, sem mais problemas, não voltei a ver o Zayn depois de ele me trazer a garrafa de água. O Liam tem andado desaparecido ou então tem andado a evitar-me, não consigo decidir qual dos dois será mais óbvio.
São agora 18h e estou de volta a casa, nos meus pés cansados, de volta a fazer este caminho irrititante e estúpido de todos os dias. Tenho de arranjar emprego, para poder comprar um computador e então mais tarde tirar a carta de condução. Vai facilitar-me tantas coisas que nem consigo dizer, já que são infinitas... Acho que vou começar a procurar amanhã, ou sábado talvez...
Chego em casa, subo diretamente até o meu quarto e quando pego no telemóvel vejo uma mensagem...


“Quero-te pronta quando chegar aí! Nem penses em dizer que não!! xxSally”


Ri com a mensagem e encontro-me a pensar se lhe responda ou não. Mais tarde penso em que resposta dar e escrevo.


“Claro, quando vieres cá encontra-me de pijama ;) xxBell”


Gargalhei um pouco com a minha própria resposta imaginando-me de pijama na casa dela. Pousei o telemóvel na cama e caminhei até o espelho alto do meu quarto, encostado a uma esquina, entre duas paredes. Tiro toda a roupa que tenho no corpo apenas mantendo a interior e fico a olhar o meu reflexo... puxo o meu cabelo para a frente e deixo-o pingar sobre os meus ombros. Estava maior do que me lembrava. Quando reparo melhor ele bate no meu umbigo e reparo no quão grande ele se tornou. A roupa interior era quase toda preta, como sempre, mas o sutiã era azul turquesa desta vez. Não me considero gorda, nem coisa do género, mas não tinha o corpo que algum rapaz poderia desejar. Não sou tão morena como desejaria, não tão alta como desejava, não tão boa como desejava...
Uma voz ao fundo lembra-me que nunca serei o que os outros querem que eu seja. E tem razão. Eu escolhi ser assim, vou manter-me fiel a mim mesma. O colar bate no meu peito brilhante, encontro-me a admirá-lo, como sempre. Era especial para mim, e nunca deixaria de o usar, por nada. 


“Não que eu me importe, mas é aconselhável fechar as cortinas sempre que decides despir-te. ;) Boa cor essa. xxLiam”


Um sorriso estúpido cresce na minha cara enquanto percebo que ele se referia à cor do sutiã. Vou até a cortina, apenas colocando a cabeça para não se ver o meu corpo e fecho-a, antes de vê-lo levantar-se da cama e caminhar até a janela. Visto uma camisola bem comprida, até quase o joelho e vou até a varanda, vejo-o fazer o mesmo.
Eu: Estás sempre a espiar-me? – grito e espero que ele consiga ouvir.
Liam: Só quando estás de roupa interior! – ele grita de volta. De alguma forma ele faz-me sentir sempre melhor comigo mesma quando diz este tipo de coisas, faz-me sentir... sei lá, acho que desejada é a palavra pra isso!


“É o meu passatempo favorito!! Tirando quando te armas em estúpida xxLiam.” 


“Só sou estúpida 24 horas por dia, durante 6 meses, 2 vezes por ano! ;) xxBell”


Vejo-o rir com isso e voltar a teclar alguma coisa. 


“Sem dúvida que és estúpida, mas uma estúpida atraente! xxLiam”


“É só por isso que falas comigo? xxBell”


Espero bem que não, ou então aconselho-te a parar de me falar de vez, antes que acabe com a tua raça! 


“Só  não te digo que sim porque nunca mais podia ter momentos destes!!”


Ele sorri do outro lado, penso no que responder mas nada me vêm à cabeça... será que é sempre assim com ele?


“Vêm cá a casa e vais ver que momentos te dou! xxBell”


Entro para dentro e fecho a cortina. Não volto a receber nenhuma mensagem.
Movo-me de volta para a frente do espelho. Como é que uma pessoa muda tanto? Não de aparência, mas de mentalidade... sinto-me diferente de algum minutos atrás e encontro-me a desejar tê-lo na minha companhia. Gosto de importuná-lo, é agradável. Mas quando é ele a fazê-lo, tudo perde a pida só porque, não gosto de me sentir dependente. E eu, bem, eu não, o meu corpo depende dele, assim como a minha mente, e isso tem de mudar. E só tem uma forma de fazê-lo...
Normalmente quando quero muito uma pessoa comigo, basta ter uma noite de sexo que tudo muda depois. Já não quero saber mais delas, é como usar e deitar fora. Eu não gosto que o façam, mas acabo sempre por fazê-lo, apenas para me satisfazer. Talvez se ele não me satisfizesse, eu nunca mais quisesse estar com ele, e parasse de desejá-lo desta forma louca. Por muito que esta ideia seja boa, não vou fazê-lo. Magoá-lo não é uma boa maneira de acabar com isto. Ou então até era...
Antes de voltar a focar-me no espelho sinto me segurarem pela cintura atrás de mim e meu corpo ser apertado, o meu coração bate depressa quando percebo que ele cumpriu a ordem...
Liam: Hey. – ele ri ao meu ouvido e pousa o seu queixo no meu ombro. Fecho os olhos e sinto-me tremer por dentro.
Eu: Foda-se para com isso! Eu estava a brincar. – falei referente à minha proposta de anteriormente, falo mais alto do que esperado enquanto dou um pulo de susto. Ele suspira roucamente enquanto me mantém quieta no lugar.
Liam: Shh... quieta. – murmura ao meu ouvido enquanto me segura e me aperta com força contra o seu corpo, foco-me no espelho e vejo a sua mão subir pela minha cintura. Olho para as suas mãos no meu corpo, não consigo concentrar-me nem agir, eu não podia negar, ele sabia como me deixar assim.
Uma das suas mãos sobe rapidamente para a minha cabeça e levanta-a, fazendo-me olhar no espelho. Ficar a ver tudo sem poder agir era de certo modo excitante, mas um tanto doloroso. Ouço a sua respiração tremer no meu ouvido quando a sua mão sobe e aperta o meu seio direito gentilmente, incendeio por dentro automaticamente. Sinto uma enorme pressão no estômago e é puro êxtase. Deixo um gemido leve e escapar e ouço-o rir roucamente. Mexo as minhas ancas e vejo-o roçar-se contra mim, de alguma forma sinto-me bem. Instintivamente levo a minha mão ao seu pescoço e puxo a sua cabeça para mim, um beijo é deixado no meu ombro.
Eu: Liam... – murmuro, sinto-me arder por dentro e as minhas bochechas formavam um tom rosa nelas quando volto a olhar ao espelho.
Liam: Shh... – grito quando sinto uma mordida forte no meu pescoço, ele geme levemente e sinto a sua língua passar pelo local para amenizar a dor e chupar de seguida. Encontro-me a querer tirar-lhe a camisola mas não o faço, oh foda-se, ele é tão quente. Espanto-me quando o vejo erguer os braços e puxar a camisola pela cabeça, rapidamente vejo os seus músculos tonificados me rodearem a cintura e o seu abdómen encostado as minhas costas faz-me querer tocá-lo, mas as suas mãos não o permitem.
Oh foda-se, isto não pode acontecer. Gemo e forço-me a afastar-me, simplesmente não conseguia. Remexo-me e a sua mão sobe até meu peito, sei que ele sente o bater do meu coração acelerado o que me provoca pânico. Afasto-me logo e vejo-o gemer em protesto quando se encaminha para mim, encostada na parede mais afastada.
Liam: Oh Bell. – murmura lenta e sedutoramente já perto de mim, uma das suas mãos desliza pela minha cintura. Sugo o ar quando sinto a minha respiração tremer.
Eu: Hm... apenas sai. – falo séria e viro o meu olhar para o lado  embora saiba que ele continua a olhar-me.
Liam: Não sabes o quão teso eu saio daqui. – sussurra e belisca a pele entre o meu maxilar e pescoço com os dentes. A frase dele choca-me e volta a provocar-me uma sensação comum no meu estômago... continuo em silêncio e ele ri rouco. Vejo-o vestir a camisola  e debato-me para não a arrancar novamente do seu corpo.
Vou até a porta e abro-a, espero que ele saia quando o vejo andar até ela. Antes disso o seu corpo choca contra o meu e ele instintivamente cola o nossos corpos contra a parede. Vejo-o sugar o ar entre nós e beijar-me a testa. Quando volto a abrir os olhos ele já lá não está.


***
Já tomei banho e quando vejo as horas são 21h. Começo a pensar em vestir-me mas já perdi a vontade. Agora perdi todas as dúvidas que tinha acerca da virgindade dele: não tem, de certeza! Sempre que fecho os olhos sinto os seus lábios no meu pescoço e as mordidas dele na minha pele que me deixam louca. Porra, para de ser assim. Ele não torna nada fácil. O que posso afirmar é que sempre que veja o seu tronco nu vontade não me vai faltar de voltar a tê-lo perto de mim. Imaginá-lo fazê-lo com outras raparigas irrita-me e cria raiva dentro de mim. A próxima vez que ele tentar isto outra vez vou fazê-lo ver que sou melhor do que qualquer outra que já tenha ficado com ele.
Muitas palavras, mas na hora de agir nada. Nada mesmo. Nem vontade de falar tenho, só sentir o toque dele quebra com as minhas muralhas mais fortes.
Acabo por pegar numa roupa não tão simples. Um crop top preto, collants pretas simples, uns calçoes de ganga cinta subia e um casaco preto comprido por cima. Sem esquecer do meu colar, como sempre. Estava um tanto exuberante para a tal “reunião”, mas pelo menos se tivesse alguma atenção tirasse aquele idiota sexy da minha  mente. Talvez. No fim estava mais ou menos assim:


Deram 22h e tal como combinado ouço a campainha tocar. Agora que penso nisso... como é que ele entrou? A porta não estava trancada?
Desço, mas antes pego no meu telemóvel, chego lá em baixo já pronta, abro a porta e antes de sair verifico se está tudo em ordem. Saio, fecho a porta e vou em direção ao carro.
Abro a porta e só quando entro me deparo com o maior dos meus problemas...  só que esse problema era sedutor!
Ele: Desculpa, a Sally não pode vir!


Continua...

xxPatrícia


Nenhum comentário:

Postar um comentário