quarta-feira, 5 de março de 2014

Pretend It's Ok - 1ª Temporada - Capitulo 9 - "Open the door!!"


***

Um toque de telemóvel acorda-me. Aos poucos movimentei-me e percebi que estava sozinha. Por momentos angustia e raiva dominou minha mente. Abri os olhos e sentei-me lentamente no sofá. Continuava exatamente no mesmo lugar. 

“Hmhm. Sim. Ok. Estou a ir, não me demoro. Xau”, ouço alguém falar. Reconheço sua voz. 

Eu: Quem era? – disse, dura.

Liam: Desculpa? O que disseste? – a sua respiração alterou um pouco, talvez não estivesse a espera que eu acordasse.  

Eu: Eu perguntei quem era! – gritei. 

 Liam: Era uma amiga minha. – ele baixa a cabeça enquanto me levanto e caminho até a porta. – Era só isso que ias perguntar?

Eu: Era suposto perguntar mais alguma coisa? – sugeri. Seus olhos mostram outro lado dele. Um lado mais duro. 

Liam: Não.

Eu: Bem então acho que podes sair. Ela deve estar a tua espera. Não te atrases... – abri a porta e dei sinal com a mão para ele sair. Fechei a porta atrás dele, e ela bate com força. Andei até o centro da sala e liguei a televisão. Sentei-me e sinto um novo cheito invadir minhas narinas. Arggh não. Nem pensar que fico aqui. O perfume dele é demasiado forte para parar de pensar nele. 

Subo até o meu quarto e deito-me na cama. Voltei a sentar-me novamente e penso no que vou fazer para ocupar o dia. Talvez vá à festa. Nada melhor do que isso para descontrair. As horas passavam demasiado devagar, sentia os meus olhos arderem. E eu sabia exatamente porquê. Só que havia um problema maior. Eu não tinha mais, e não conhecia ninguém que me fornecesse algum tipo dela aqui na zona... vou ter de procurar algum dealer... 

Começava as 22h30. Eram agora 21h. Estava demasiado atrasada. 

Corri até a casa de banho e tomei um banho rápido e escovei os dentes, pentei-me deixando o cabelo liso e fui até o armário de meu quarto. É óbvio que eu não iria usar nenhum vestido super curto que mostrasse mais do que era suposto. Mas não ia ficar-me pelas minhas roupas largas. À noite gosto de parecer outra pessoa, que normalmente pareço, tem vezes que tenho rapazes a dançar comigo e que por fim sussurram um “quero te foder”. E é isso. Só que eu simplesmente não me limitava a ter sexo com eles... eu fingia que ia ter, e quando chegasse o momento, saía. Simples. Queria rir-me um pouco, e era assim que tudo acontecia. Mas depois tem sempre aqueles me vigiam e sabem mais de mim do que eu penso e então colocam pastilhas de ecstasy, que para quem não sabe é um tipo de droga, na minha bebida e isso tem um efeito rápido. Aquela merda é pesada para quem não está habituado.... mas pra mim já se tornou um pouco fraco. Já nem a coca tem o mesmo efeito... 

Por volta das 22:25h estava pronta. Umas collants escuras com alguns detalhes e uns calções completamente rotos de cinta alta, que chegavam até perto do umbigo. Por fim coloquei um crop top muito justo mesmo ao corpo, que mostrava o piercing que eu tinha colocado acidentalmente no umbigo. Na noite em que o fiz estava bebada. Mas bem... então, como eu ia dizer, camisolas como a minha geralmente favoreciam aquelas que tinham peito pequeno. Que por sorte não era o meu caso. Tinha um decote não muito grande e com uns detalhes de renda. Coloquei o meu colar por baixo dela. Por fim fiz uma make simples com uma linha de eyeliner não muito grossa. Em vez de colocar uns saltos altos optei por umas botas pretas. Olhei pela janela e muitas luzes brilhavam e um som alto ouvia-se do outro lado. Olhei pela cortina e vi que era da casa do Liam. Foda-se. A festa era na casa dele. 

Quando estava prestes a desistir lembro-me do telefonema que ele recebeu hoje...  

Talvez um pouco de diversão sirva para ele perceber que eu não sou dele, como ele parece pensar. 

Saí, bati a porta e fui até a casa dele a pé, era estúpido pedir boleia se não precisava de nem 2 minutos para chegar à casa dele. Assim que lá cheguei vi montes de gente entrar, enquanto alguns tentavam sair à força pelo meio de todos aqueles corpos. Entrei e senti uma mão me puxar até a “pista de dança” ali montada, a sala deveria ser de certo modo enorme para cá estar tanta gente. 

Ele: Sempre vieste. – ele sussurra. Ah. Por momentos pensei que fosse outra pessoa, mas segundos depois percebo que era aquele que eu tinha falado hoje de manhã. Nem o nome dele eu sabia. Mas não é objetivo meu de qualquer forma sabê-lo. Espero não me encontrar com ele mais cedo...

Assim que começamos a dançar ele roça-se a mim, alguma coisa me dizia que não ia correr bem. As mãos dele não paravam de mecher por todo o meu corpo, a festa só agora tinha começado e eu já queria sair. Tentei afastá-lo mas ele voltava a agarrar-me como antes enquanto me movimentava com ele ao som da música. Era impossível eu chamar por alguém, já que eu não conhecia ninguém daqui, e mesmo que quisesse a música estava demasiado alta para que alguém me ouvisse. Comecei a sentir o meu coração bater mais depressa quando sinto a sua mão apertar um de meus seios. Guinchei de dor com a força que ele aplicou nele. Sinto uma lágrima escorrer por meu rosto. Ele sussurra coisas sem sentido e completamente nojentas no meu ouvido. Os soluções tomavam conta de mim e sentia que tinha perdido a minha voz. Ele cola o seu corpo ao meu e eu sinto uma leve pressão no meu rabo. Rosnei de nojo quando percebo o motivo. Fecho os olhos e tento pensar numa forma de sair. Eu não conhecia a casa... não fazia ideia de onde eram as escadas sequer... A música para e o DJ de lá fala um pouco enquanto aquele idiota lentamente se afasta de mim um pouco. Não pensei duas vezes e comecei a correr por entre aquelas pessoas o mais rápido que podia. Logo percebi que passos pesados encaminhavam-se a mim. Acelerei os meus movimentos quase sentindo que ia tropeçar em meus pés e vi uma escada que levava ao andar de cima. Corri pra lá e subi-as o mais rápido que pude. Parecia uma perseguição. Olhei para trás e vi-o quase a alcançar-me, sinto um aperto no meu coração assim que ele toca no meu pé e tropeço no topo das escadas. Ele ri enquanto me puxava novamente para ele, sentindo-se vitorioso. De imediato dei um pontapé nele que solta um grunhido de dor tal como eu havia feito a bocado, encolhendo-se um pouco. Vi uma porta aberta e vejo lá o Liam. Só que a porta fecha-se e percebo que ele a fecha com a chave. Corria o mais rápido que podia enquanto ele se levantava para me voltar a apanhar. Várias sensações pareciam querer levar o meu corpo. Nunca tive tanto medo assim desde o dia em que toda a minha família morreu, deixando-me sozinha... Eu ainda era tão nova. Virei à direita e lá estava a porta que a pouco se encontrava aberta. Gritei de desespero enquanto batia e dava murros na porta, implorando para que me deixasse entrar.

Eu: Liammm... LIAMMM!! – vejo um corpo quase tocar-me – ABRE A PORTA, POR FAVOR! LIAMMM – a porta abre-se e sem nem ver se era ele entro e fecho-a atrás de mim. Ele olhava-me espantado, talvez por eu estar aqui, mas eu  não queria saber. Eu só precisava sair daqui o mais depressa possível... a porta volta a abrir-se repentinamente e ele surge de lá. Afastei-me o mais que pude enquanto o Liam via a cena sem perceber nada. – Li-liamm... tira-o daqui, por favor!

Ele: Deixa-me ficar com esta! Ela vai gostar tanto... – ele ri enquanto lambe os lábios. A minha respiração prende-se na minha garganta assim que vejo um braço forte empurrar o outro contra a parede. 

Liam: Sai daqui. Agora. E não voltes a meter-te com ela entendeste? – ele falava sério enquanto o outro se tentava afastar da mão em seu pescoço, o apertando com força. O braço dele ergue-se e vejo os músculos de suas costas sobressairem-se. Fecho os olhos. Ouço a porta bater com força e ser trancada. Sinto uma mão me tocar, prendo a minha respiração trémula enquanto gemo de medo de olhos fechados. 

“Podes abrir os olhos Bell...” sussurra. Abro os olhos e solto um suspiro de alívio enquanto me mantenho quieta no canto do quarto enorme. 

Sussurrei um “desculpa” de volta e logo depois um “obrigada”. Esperei ver um sorriso de sua parte, mas ele manteve-se quieto e seu rosto fechado, apenas a olhar para mim sério e seus músculos tensos. Assusto-me quando o vejo levantar-se e encaminhar-se até a porta dando um pontapé com força nela.


Continua...

xxPatricia 

Nenhum comentário:

Postar um comentário