domingo, 30 de março de 2014

Pretend It's Ok - 1ª Temporada - Capítulo 15 - Privacy



Liam: O que se passa? Diz-me. – ele diz sério e nervoso. Quase acabo por achá-lo adorável, mas ainda não cheguei a esse extremo. Porque, apesar de eu estar aqui com ele, sem julgamento, vai sempre alguma coisa correr mal. E nesses momentos, eu prefiro manter silêncio.
Eu: Shh. Apenas, para quieto. – respiro o seu perfume na sua camisola, já deitada sobre o seu peito, na sua larga cama. Ele respira profundamente e envolve o seu braço na minha cintura. Os seus dedos iam fazendo círculos na minha pele enquanto eu prendia a respiração, que parecia tropeçar na minha garganta.
Mantivemo-nos em silêncio. Simplesmente assim, deitados e com uma pequena luz do candeiro da cabeceira do seu quarto. Aos poucos encontro-me a adormecer...
***
Acordo e quando abro os olhos parece que fiquei a dormir pelo que se parecem dias. Já não tenho ninguém a meu lado, e estou perfeitamente coberta por debaixo dos lençóis brancos e pretos do seu quarto. Vou até a cabeceira e procuro pelo meu telemóvel mas não encontro. Ainda deve ser cedo, não sei. Levanto-me preguiçosamente e sigo até ao pé da porta, onde estava a minha mochila anteriormente. Abro-a e procuro por algo que me diga as horas. Pego no telemóvel, desbloqueio-o e a minha boca permanece entre-aberta quando vejo. Já passava das 11 horas da manhã e eu já estou atrasada quase 3 horas. A manhã foi completamente perdida. Volto o meu olhar para a cama desfeita e reparo que tem um bilhete. Ando até ele e leio...

*Desliguei o teu despertador. Espero que não te importes. Se precisares de alguma coisa liga. xxLiam*


Foda-se. Tinha que ser não é? Não bastava o dia de ontem ter corrido mal ainda mechem nas minhas coisas sem a minha ordem. Nem me vou enervar, já que ele me deixou dormir aqui... e a verdade é que já há muito tempo que não dormia tão bem assim. Acho mesmo que cheguei a sonhar com ele. Nem vou pensar nisso.
Desço e rezo para que não esteja ninguém em casa a esta hora. Ando e tento fazer o menor barulho possível, quando chego à parte inferior da casa uma senhora aborda-me com um sorriso na cara.
Ela: Hey! Tu deves ser a rapariga de quem o Liam me falou! – ela sorri e puxa-me para um abraço amigável. Retribuo e olho-a sorrindo levemente, tentando não parecer desagradável. Mas a verdade é que me sinto completamente fora da minha zona de conforto, o que eu odeio de facto. Não costumo ter de lidar com esse tipo de problemas, só espero que ele não tenha dito nada de mim.
Eu: Hey!!
Ela: O meu nome é Karen!! – sorri, nunca vi um olhar tão profundo, tão sorridente antes. A ideia de o Liam nunca ter trazido cá nenhuma rapariga antes corre pela cabeça o que me deixa aliviada, mas a verdade é que eu mesma vim até cá, sem ser convidada. Não estou no meu direito de pedir ou fazer qualquer tipo de cena aqui!
Eu: O meu nome é S/n, S/ Bell! – disse agradavelmente. Ela lança-me um sorriso enquanto falava de algumas coisas vagas.
Karen: Queres comer alguma coisa Bell? Acabei de fazer umas bolachas, não sei se queres... – ela oferece gentilmente, com um pouco de receio  na sua voz.
Eu: Oh sim,  claro! – ri e ela bate palmas de felicidade. Caminhamos até o que eu percebo ser a cozinha e ela realmente pega numas bolachinhas do forno e no fim coloca-as num prato. Sorri levemente ao ver o quão amável ela é,  até mesmo com desconhecidos. Era me impossível recusar a oferta, mesmo que eu não quisesse.
Karen: Tem cuidado. Ainda estão quentes! – ela disse enquanto pego numa na minha mão. Quando levo à boca apercebo-me de que de facto ela estava certa. Estavam muito quentes. Ri um pouco quando a vejo esconder um sorriso. Decido pousá-la durante uns tempos e esperar que arrefeça.
Eu: Hmm então... o Liam falou de mim? – pergunto enquanto me encosto ao balcão.
Karen: Oh bem, mais ou menos! – ela explica – Ele disse que tu estavas lá em cima e para ninguém te acordar nem te incomodar!! Eu perguntei-lhe quem tu eras, e ele disse que eras uma amiga, mas vi-o corar então percebi que alguma coisa se passava! – ela sorri gentilmente enquanto pisca o olho para mim. Não consigo evitar em rir ao imaginá-lo envergonhado, ela percebe e ri também um pouco.
Karen: Espero que percebas que ele é muito importante para nós!! Não o magoes... – assinto com a cabeça embaraçada, quero dizer-lhe que não temos nada, nem amigos somos. – Reparei que desde o início das aulas ele ficou um pouco diferente.
Eu: Ah é? – perguntei. Ela assente e chega-se mais perto enquanto sinto o meu coração bater mais depressa. Não sei se aguento esta pressão mais tempo.
Karen: Sim. Sei lá, um pouco cabeça no ar. A verdade é que eu sempre vi muitas raparigas interessadas nele e ele tornar-se popular, ganhar músculo – ela ri – mas nunca o vi assim! Não sei... talvez sejas tu querida! A tal! – ela sugere.
Eu: Oh não! Acho que não! – ri.
Karen: Como sabes? – ela pergunta confusa mas no fundo a brincar um pouco.
Eu: Acho um pouco apressado, afinal, ainda não passou uma semana de aulas. Não é tempo suficiente para haver qualquer tipo de transformação!
Karen: Basta um segundo que tudo pode mudar Bell... não é uma questão de tempo! – ela sorri e percebo que está a tentar mostrar-me que eu e ele passamos por isso, por essa questão de segundos que mudou as nossas vidas. Não que eu queira ser antipática, mas por hoje acho que é suficiente. Evito olhar para ela, fico feliz por ela achar isso, mas não preparada. Pego na bolacha de a pouco tempo e levo a boca, agora já não tão quente.
Karen: Está boa? – ela pergunta a espera da minha resposta com um sorriso, tal como a vi todo o tempo.
Eu: Sim, realmente estão ótimas! – sorri. De facto estão deliciosas, não me lembro de comer bolachas caseiras... e até sei porquê. Percebo que estava a ficar com uma cara meio triste e longe, porque ela pergunta-me se está tudo bem.
Eu: Sim! Estava só a pensar que aula ia ter agora... – sorri – bem, e acho mesmo que vou ter de ir para as aulas, se não se importar...
Karen: Oh claro que não! Passa aqui quando quiseres!! Estarei aqui, ou então o Liam poderá receber-te claro! – ela ri simpática. Ando até a entrada da enorme casa. Despeço-me com um abraço e saio.
Caminho até a minha casa. Quase me tinha esquecido do que aconteceu, mas a confusão relembra-me. Sigo até o meu quarto e evito reparar na bagunça. A próxima aula só começa à 1:30h, tenho tempo suficiente para tomar banho e me preparar. Coloco a mochila num canto e pego no telemóvel, vou aos meus contactos e encontro o número do Liam.

“Obrigada por ontem. Mas espero que reconsideres em não voltar a mexer nas minhas coisas. Gosto de privacidade. xxBell”


Enviei e recebo a resposta mesmo antes de voltar a colocá-lo na mochila. 


“Estás em tua casa?”


“Sim.” Limitei-me a responder a pergunta.

“Não saias daí.” 


Oh sim. E eu faço tudo o que tu queres não é?
Vou até a casa de banho, dispo-me e entro para o chuveiro. Espero que a água aqueça enquanto penso no que vou vestir. A todo o momento imagens do dia de ontem passavam-me pela cabeça, mesmo que eu tentasse evitar, era impossível. Acabo de tomar banho e enrolo-me na toalha. Vou até ao quarto e pego em roupa interior. Um sutiã simples preto de renda e umas cuecas conjunto, igualmente pretas e com um pouco de renda.
Acabo de me vestir e vou em roupa interior até ao quarto enquanto tento procurar uma roupa nas gavetas remexidas. Pego nas que estão no chão e coloco-as de volta nas gavetas. Acabo por pegar numas calças de ganga apertadas e uma sweatshirt preta com o símbolo da marijuana. Coloco em cima da cama e ouço o telemóvel vibrar. Ignoro e volto a minha atenção para o espelho. Os meus olhos pesados de chorar e a minha cara um pouco cansada. O meu cabelo estava mais selvagem e parecia mais comprido quando o sinto bater nas minhas costas provocando-me leves cócegas.
A porta abre-se rapidamente e encontro um par de olhos desejosos me olharem atentamente.
Liam: Oh foda-se. 

 

Continua...

xxPatrícia


Nenhum comentário:

Postar um comentário