domingo, 16 de fevereiro de 2014

Pretend It's Ok - 1ª Temporada - Capitulo 2 - Weakness

 

Cheguei à porta da minha casa. Não era muito grande, nem pequena. Era confortante, o único sítio onde eu podia estar sem ser julgada. Coloquei a chave na porta e rodei a maçaneta. Entrei. O silêncio predominava, apenas as gotas de chuva podiam ser ouvidas. Pode parecer estranho, mas eu adoro chuva. Ouvir as gotas caírem no chão, algumas arrastadas pelo vento. Eu tive de me habituar a ela, mesmo não querendo…

Subi até meu quarto e deitei-me sobre a cama, pensando em tudo na minha vida… vida de merda que eu levo. Peguei no meu telemóvel e fiquei a ouvir musica aleatória… coloquei o volume no máximo. Fiquei a cantar baixinho durante algum tempo até que ouço um som, ao longe. Ignorei. Mais tarde ouço a campainha tocar freneticamente. Bufo, retiro os fones, desço as escadas apressada, chego perto da porta e a abro. Carteiro. Uma brisa entra, provocando-me um leve calafrio.

Ele: É a menina a Bell?

Eu: Sou sim…- falei.

Ele: Tem aqui uma carta pra você - peguei nela sem qualquer animo. - Importa-se de assinar aqui? - ele estendeu-me pra mão uma esferográfica e o papel, assinei e entreguei-lho. Olhei novamente para a porta de minha casa e vejo ele já a sair em direção a sua mota, totalmente encharcado. Fechei a mesma, abri o pequeno envelope nas minhas mãos. Rasguei-o. University of London. Que nome parvo. Ahh sim, por míseros seguros quase me esqueci de uma, de várias das minhas expulsões. Desta vez é pra uma universidade a… 400km de distancia?? Lembrei-me então das palavras por quem essa expulsão fora causada “será um pouco longe daqui.” Soltei um riso abafado. Você considera isto um pouco longe?! 

Subi as escadas e fui novamente para o meu quarto, olhei para a carta que estava nas minhas mãos e voltei a lê-la. Várias informações… uma delas chamou-me a atenção… os novos alunos tinham que usar uniformes de forma a se distinguirem dos outros. Nem pensar que alguma vez eu vou usar fatiotas de princezinhas. Coloquei tudo na cabeceira ao lado da minha cama. Vi as horas. 20h30min. Fui até a cozinha e preparei uma sandes, comi tudo rápido, bebi um golo de sumo e subi pro meu quarto. Dentro de dois dias já cá não estarei. Peguei numa mala vazia e coloquei em cima da cama. Abri-a e comecei a colocar as minhas roupas e materiais necessários pra viajem. Às 22h já tinha tudo pronto. Deitei-me. 

7h da manhã. Tudo silencioso. Como sempre. O meu despertador tinha acabado de tocar. Fui até uma das malas e peguei numa roupa simples. Camisola larga, um pouco comprida, escura, umas calças pretas rotas e umas vans pretas também. Prendi o meu cabelo em um coque mal feito e desci. Peguei nas minhas malas e coloquei-as perto da porta de entrada. Dei mais uma volta pela casa. Onde eu passei estes longos anos, meses, de sofrimento… sozinha. Os meus dedos deslizavam pelas paredes, enquanto recordava as minhas fraquezas, que tive de enfrentar… aqui. Foi aqui onde tudo começou, onde eu me surpreendia a mim própria, com as minhas capacidades de estupidez.... Sim, toda a minha vida não passou de uma estupidez, as pessoas diziam que podia contar com elas, mas, quando eu mais precisei, não tinha ninguém… ninguém… então eu tive de procurar felicidade, da minha maneira… não que eu tenha encontrado, mas agora eu sinto-me mais forte… há já 1 semana que eu não me corto. Isso é bom… eu acho. Mas eu sei que a qualquer momento tudo vai voltar, eu vou voltar a cometer os mesmos erros, por razões idiotas e sem noção… e então eu vou voltar a ser a mesma fraca e inútil que há anos atrás resolveu fazer uma mudança na sua vida. E nem eu sabia que iria ser assim tão radical. Eu não sou uma pessoa fria, eu apenas não demonstro meus sentimentos. Porque, já não encontro outra maneira de me expressar a não ser com ajuda… de laminas, drogas... E tudo isso não passa de um erro, impossível de corrigir. 

Uma lágrima escorreu por meu rosto, impedi que outras aparecessem… desci as escadas, fui até a janela e percebi que o táxi já tinha chegado. Abri a porta, peguei as malas. Um senhor já de idade, por volta de 55 anos encaminhava-se até mim. Uma das minhas malas era retirada da minha mão.

Eu: Não. Eu levo, não preciso de ajuda. - suspirei, ele olha-me com os olhos arregalados, volta a caminhar até ao carro que nos esperava e entra. Fiz o mesmo, coloquei as malas na parte de trás do carro e assim que entro ele começa a andar. Encostei a minha cabeça na janela do mesmo… sinto meus olhos cansados… 

***

Depois de umas longas 4 horas chegamos. 

Tinha as minhas pernas dormentes, a minha cabeça andava a roda.

Fui até uma agência imobiliária e depois de algum tempo havia escolhido minha casa, bem rapidinho... Ficava numa rua com poucas casas, parecia uma rua chique, para aqueles riquinhos… nem foi tão cara assim... bem, na realidade até foi baratinha, eu não teria dinheiro pra comprar ou sequer alugar ela já que... eu não tenho emprego. No momento seguinte em que lá passei me arrependi. A casa era bonitinha, mas grande demasiado para uma pessoa só, e demasiado morta… não tão “morta” assim, eu gosto de preto… cores escuras… não branco… as paredes eram totalmente brancas… e eu não gostava disso, fazia-me lembrar hospitais, horríveis hospitais e momentos que neles passei. Vou ter tempo suficiente para me habituar a isso aqui, ou até mesmo personalizar do meu gosto… ou não… pouso as minhas malas ao pé da porta, e olho em redor… ouço a campainha tocar. Continuei caminhando até ao segundo andar da casa… ouço novamente a campainha tocar novamente, freneticamente… 

Eu: Mas que caralho! Já vai! - gritei das escadas. Cheguei à porta e abri-a rapidamente, suspirei, irritada. - O que foi?? Morreu alguém? - perguntei impaciente, olho para a figura alta que se encontrava em frente a mim… reparo no seu corpo coberto, mas onde seus músculos podiam transparecer, calças largas, caídas na sua cintura e camisola comprida e mais apertada. Depois de alguns segundos reparei na figura de idiota que estava a fazer, babando do corpo dele, ele sorri abobalhado.

Ele: Hey… eu sou o Liam! Liam Payne… prazer!

Continua...

xxPatricia

Nenhum comentário:

Postar um comentário